terça-feira, 8 de junho de 2010

Invento passatempos
e fujo do tempo:
guria pequena e caprichosa,
não estou à mercê do juízo,
Fujo dos passatempos
e invento o tempo:
mulher de futuro e de negócios.
Chamaram-me ontem
para uma entrevista:
querem me dar um prêmio
e eu resisto.
Ninguém sabe,
mas ando me sentindo culpada:
tantas coisas importantes nas entranhas
e eu a dar atenção a coisas de relevo.
Ando envolta em tempos,
não quero que o tempo passe:
passa não, tempo, passa não,
eu quero ficar aqui,
pequena e caprichosa.
Não quero nem futuros nem negócios,
pequena e caprichosa,
vou parar o tempo, reinventá-lo,
colocá-lo no lixo,
pequena e caprichosa,
vou inventar os paratempos.

4 comentários:

Manifesto Interno disse...

Ah que lindo Jana!

Empresta-me teu paratempo..
entendo teu sentimento
quem dera pudéssemos
congelar um momento
como este teu de
puro talento!

beijinhos,

Ester.~

Tear de Sentidos disse...

Mamãe Tê quer que tu cresças, filhinha!!!!Que poema é este????
Rsrsr!
Bjoca!
Tê, a mini-micronésia!

Tear de Sentidos disse...

Eeeeeeeba!!!!! Mamãe gostou de ver!!!! PARABÉNS!!!!!!!
Bjoca! Tê!

Tear de Sentidos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.