sábado, 1 de maio de 2010

De repente,
o momentâneo e
sem sentido se
faz escrita:
a gente discursiviza a vida,
desestabiliza a memória
e eterniza o efêmero.
Polaróides urbanas
sobre a letra:
institucionalização do nada
(age em nós)

Nenhum comentário: