terça-feira, 13 de abril de 2010

Não é:
não era destino.
Um encontro como este
não poderia ficar 
enclausurado
em um destino,
seria limitá-lo.
O que rompe fronteiras
é justamente porque as tem.
Não é...
Não seria destino:
é antes uma história,
uma memória,
pré-história,
pré-estréia, 
uma memória
que não é liberta
porque nunca foi presa.
É um lugar,
um lugar de força,
um lugar de dois.
um lugar de silêncio...
É aqui, sim, o amor.

Para meu irmão Diames e minha cunhada-irmã Deise, desde o guardanapo em que escrevi uma "Ode" do porvir, até um poema antecendente que nunca mostrei porque dói de tanto amor que tenho por eles!

2 comentários:

DEISI disse...

CHOREI DE TAQNTA EMOÇÃO!!É LINDO!!
OBRIGADAAA
TE AMAMOS

Diames disse...

Show!!!
Adorei muito emocionante!!!!
Essa guria é minha irmã tchê!!!