sábado, 3 de abril de 2010

era uma sala de paredes cinzas:
era uma dor expressa
em apenas um
matiz:
eram diálogos
inexpressivos:
só mantinham
uma comunicação
prosaica:
eram paredes que me
continham:
paredes cinzas:
pessoas desconhecidas:
pessoas reconhecidas:
eram dores de antes
de mim:
eram ilusões óticas
:
 :
  :
eram esferas a girar:
vertiginosamente

este é um poema de sonhos:
é um poema desejante:
um poema que quer ser
um poema por vir:
um poema de futuros:

este poema é uma confissão:
confissão de retrocesso:
não sei para onde me dirijo:
não é um caminho sem volta:
antes um caminho sem
caminho antecedente,
embora não comece aqui:

este é um poema de vozes:
multiplicidades esféricas:
é um poema redondo:
um poema de entornos:
não vai para lugar algum:
sentidos circulares:
esta é uma circunferência:

:
poema circundante
:

7 comentários:

A Palavra Mágica disse...

Janaina!!!

Seu poema é como o Mundo: redondo, louco e Lindo!

Um beijo!
Alcides

Daniel disse...

Alcides, que bom te ver por aqui: estavas sumido!
Beijoo

Janaina Brum disse...

Ops, usei a ID do meu irmão!
Sou eu, alcides!
Beijos, obrigada!

Anne M. Moor disse...

Jana

Redondo como a vida que é um perfeito círculo!

Beijos
Anne

Janaina Brum disse...

Circula, circula, circula e me deixa tonta!
Beijos, Anne
Jana

Tear de Sentidos disse...

Lindaço, minha chinoca amiga!!!!
Aliás, bem o meu estilo! Um dos mais bonitos que já escreveste!!!!
Mas o mais estranho... Calmino, né? Não é "feroz", rsrsr!
Bjoca! Tê!

Janaina Brum disse...

Nossa, calminho, pé por pé nos dois pontos, Teresocaa!
Beijoca na Teresoca!