quarta-feira, 17 de março de 2010

Caríssim@s!!! Depois de tanto tempo afastastada, volto com um poeminha novinho em folha para vocês! Saudades de tod@s!
PS: Não esqueci da promessa no post da Hilda Hilst! Em breve, postarei o poema!
Beijos da Jana



Toda poesia oblíqua
Me despe da linearidade
Em que estive mergulhada
Durante tanto tempo

Próteses da linguagem
Real
Se colocam entre
Uma pretensa comunicação
E encobrem as poucas coisas
Que valem
Mais que um vintém

Quantas vezes deixaste
Em minha boca
O gosto amargo do desejo?
Quantas vezes esperaste a
Minha saída para entregar-te
A ti mesmo?

Não era uma noite
Era o prenúncio de um
Cataclismo
Era a ode que faltava
Era o ódio dos tempos

Não era uma declaração de amor
Era um gesto cortante
Um ato impiedoso e sem destino
Era o meu declínio
Era a ausência da primavera
Em plena primavera

Era o pavor do indizível:
Tua ausência em mim

3 comentários:

Tear de Sentidos disse...

Obaaaaa! Ela voltou!!!! E com poemas "dos bons"!!! Ou melhor, dos "excelentes"!!!!!
Bjinho!
Tê!

Anne M. Moor disse...

Jana, OBA como diz a Tê, voltaste...

Teu poema diz tannnnnnnnto pra ti com certeza e pra mim idem... Brilhante!

Não some de novo...

Beijão
Anne

Janaina Brum disse...

Oba que vocês estão aqui!!!!!!
Beijossss