segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Asas Perdidas - Chico Saratt

Olá, amigos queridos! Quero dividir uma coisinha com vocês! No final de semana, visitei a 1ª Feira Binacional do Livro em Jaguarão. Lá, assisti a alguns shows - de muita qualidade -, dentre os quais o belíssimo show de Chico Saratt, acompanhado por Sérgio Napp em uma "viagem" pela música gaúcha, com um repertório riquíssimo que ia do nastivismo à MPB.
A letra que apresento aqui é de uma canção de Chico Saratt que tem sido minha trilha sonora desde muitos anos. Eu ouvi essa canção em momentos importantes da minha vida. Ela me toca profundamente, tanto que vocês podem ver, em alguns poemas meus já publicados aqui no ELA, referências à letra dessa música. 
Engraçada era (e talvez ainda seja) a minha reação frente à canção de Saratt. Eu a ouvia (e ouço) quase que diariamente e tinha a sensação de que só eu a conhecia, de que ela era minha! No sábado, Asas Perdidas, para mim, se tornou pública - mesmo que já fosse. Provavelmente seja por isso que tenha me assaltado uma vontade incontrolável de dividi-la com vocês, amigos.
Deliciem-se! 

Veja, meu bem,
quantos anos se passaram
e eu não mudei,
ainda tenho aquela velha cicatriz
no rosto
e no mês de agosto
continuo a fugir dos cães.

Veja, meu bem,
quantos anos se passaram
e você não mudou,
ainda tenha aquela velha mania de ser
a principal da cena
numa tomada de cinema
que ninguém filmou.

Mas não faz mal,
não tem mais nada não.
Só uma dor invade o coração.
Já estamos mais velhos
e sobrevivemos
nesse mundo de ilusões.

Eu escrevo teu nome em néon
pelas ruas escuras do meu coração
e te levo no tom da canção
sobre as asas perdidas
de uma saudade
que voou
e nunca mais voltou.

5 comentários:

vittorio disse...

Lindo, grato por você compartilhar este momento unico. Adorei em especial:

Mas não faz mal,
não tem mais nada não.
Só uma dor invade o coração.
Já estamos mais velhos
e sobrevivemos
nesse mundo de ilusões.

Eu escrevo teu nome em néon
pelas ruas escuras do meu coração
e te levo no tom da canção
sobre as asas perdidas
de uma saudade
que voou
e nunca mais voltou.

Para retribuir, envio este poema, que creio tenha tudo a ver.
Segredos que enredam os pensamentos
tornando realidade os sonhos do sonhar
Momentos eternos, forjando sentimentos
hoje amargas lembranças a nos emaranhar

Em cada instante do tempo de ti recordo
aromas que envolvem as noites vazias
Creio que de mim ora mesmo discordo
pois que aqui estais nessas noites frias

Inseparáveis somos eu e as minhas recordações
sou agora, a somatória do meu tempo vivido
Tristezas, alegrias, mentiras, verdades, ilusões
eu autor de mim, desatino... um livro nunca lido

Nas páginas te encontro no momento incerto
nos caminhos ermos do labirinto das paixões
Em mim vives e te sinto nos textos e por certo
o renascer, nos destroços de minhas emoções

É infinita a dor que a distância do tempo traz
remontando e rearranjando imagens difusas
Retornam de ti instantes de forma contumaz
nas lágrimas, que escorrem de mim confusas.

Leve vento os pensamentos meus distantes
deixa-me quedar nas asas das recordações
Amargo é acordar no tempo e viver o antes
perdido eternamente na névoa das emoções

beijos

Janaina Brum disse...

Lindo o poema, Vittorio... Lembranças... é realmente disso que fala a canção-poema de Saratt! BElo contraponto.
Beijos

chico saratt disse...

Queridos! amei ver que meu poema de alguma maneira tocou vocês! bjs e um dia falo mais dessa canção.
Na real não adianta, pois cada um bebe um poema como se fosse um vinho antigo, de acordo como percebe ele, e esse é um processo que jamais se repete em duas pessoas igualmente.
Talvez se eu contasse o porque da canção, ela perderia o encanto pra vocês.
Mas se quiserem tenho outra canções que posso enviar pra vocês.
Beijos...Bom Natal e Feliz Ano Novo.

CHICO SARATT
New York - USA

janaina brum disse...

Chico! Recém hoje vi teu comentário por aqui! Quanta honra! Sejas bem vindo!
Bjs, Jana

João Batista Santos disse...

Eu sempre fui fã de Chico Saratt e esta música me toca muito. Nos últimos dias tenho pensado muito nesta letra e também a canto para mim mesmo.
Um abraço a vc por compartilharmos um consolo neste mundo de ilusão.