segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Tantas torres
e tantas vias
tenho medo de cair
embora o vendaval
já tenha findado


protejo-me de toda
tempestade
embora me encante
por elas


sobressaltos
os sobressaltos me aceleram
e é aí que me
assalta uma vontade
de ser brisa do mar
de nada adianta ter
findado o vendaval
não levou de mim
o giro
a espreita
o acordo tácito


sopra vento
em
mim

4 comentários:

A Palavra Mágica disse...

Janaina,

Deixa o vento brincar com seu cabelo, mas não se esqueça que ele é atrevido a ponto de levantar o seu vestido.

Beijos!
Alcides

vittorio disse...

Teus versos tornam-se brisa a nos falar manso por entre as tempestades de imagens surgidas de uma alma inquieta.
Inquietude transposta a nos mostrar em lapsos de tempo um pouco da tormenta de ser humano.
A embalar meu sono
a embolar meu sonho
a enrredar meu eu no teu ser.
O vento traz-me os murmurios de ti.

beijos

Janaina Brum disse...

Obrigada, meninos, pelos comentários!
Beijos

Tear de Sentidos disse...

"protejo-me de toda
tempestade
embora me encante
por elas"

Eis um conflito humano universal...!

Querer e não querer...
Lindo!!! Bj, Janinha!
Tê!