quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Os anjos caminham pelas
calçadas da capital e
as pessoas não os percebem
estão procurando-os nos sonhos
e não sonham que eles estão tão perto

meu anjinho
a falta que me fazes
ao caminhar pelas ruas
do interior

meu porto seguro

e alegre
queria-te perto
me livrando dos
vendavais
rindo dos meus medos
e acreditando nos meus
ideais

meu irmão
te fazes tão presente na
tua ausência
que sinto teu abraço
quando estou só

estou só
em qualquer lugar
não sei me virar sozinha
e a insegurança
se torna fortaleza
para os outros
que me olham
e nem imaginam
nem imaginam
que falta alguma coisa
que falta o teu abraço diário
ao chegar do trabalho

falta alguma coisa em mim
as asas do anjo que fui
lembras dos nossos planos?
lembras das nossas noites
amenas e de nossas gargalhadas
sem motivos?

queria-te mais perto
para aguentar este amor
que mora em mim:
saudades

Para meu irmão Marcelo Brum

12 comentários:

Zisco disse...

Todos nós já fomos anjos, temos isso lá dentro de nós!
Tem gente como vc que às vezes deixa escapar essa verdade em forma de poesia.
Sortudo esse teu irmão!

Anne M. Moor disse...

Que lindo este poema! Ah e como te entendo. Tenho uma saudade imensa de minha irmã que se foi tão estupidamente...
Mas é na força de vida deles que achamos nossas asas de novo.

Abraço apertado

vittorio disse...

Procuro a rima certa, na razão incerta do sentimento saudade.
O brotar da dor de tua ausência, traz-me o sofrimento inclemente.
Busco lapidar nas memórias de ti o sentido desta nova realidade.
Sinto-me de ti tão próximo agora, embora de mim estejas distante.

trecho do poema eterna saudade

Que fase criativa maravilhosa inspiração

Sabrina Bom disse...

Jana, sem palavras para dizer que ficou lindo esse poema para o celo!!! bjsss

Janaina Brum disse...

Somos anjos, Zisco...
Sortuda sou eu de ter esse irmão e os outros!
Bjs

Janaina Brum disse...

Anne, essa saudade parece que nunca vai acabar, mesmo que meu irmão esteja tão pertinho, em POA...
Beijos no coração...

Janaina Brum disse...

Vittorio, acho tão legal o que fazes pelos blogs... sem ter o teu cantinho virtual, acabas socializando muito mais a tua arte!
Beijos

Janaina Brum disse...

Bina, o Borso merece! Ele é lindo por dentro e por fora! Tiraste a sorte grande, cunhada!
Beijos

MARCELO disse...

Maninha!

Adorei o poema,também morro de saudades, sempre lembro "do tempo de interior" e das noites de gargalhadas, mas com certeza um dia estaremos todos juntos.
beijos do irmão que te ama muito!

Teresinha Brandão disse...

Oi, Janinha!!! Lindo poema...
É, os anjos andam por aí, sim!
Bjão, querida!
Tê!

DEISI disse...

NOSSA QUE LINDO!FIQUEI EMOCIONADA!CHEGUEI A SENTIR A SAUDADE
BJOSSS
DEISI

Anne M. Moor disse...

KD vc minha amiga poeta e colega???

Abração