quarta-feira, 8 de julho de 2009

Minhas olheiras denunciam
noites esparsas e inquietas
a desejar sonhares e
a incumbir responsabilidades
aos mortos e aos inexistentes.

Sombras agigantadas
por pesares
nuvens escurecidas
pelas noites
lembranças...
revividas por detalhes.

Não foi meu intento
cair na superficialidade
juro
quis te ferir e não me
viste
me desesperei.
Eu era fonte inesperada
de tempestades,
inadaptada às
tempestades.

9 comentários:

A Palavra Mágica disse...

Janaina,

"Minhas olheiras denunciam
noites esparsas e inquietas"

Olha a hora de sua postagem e a hora do meu comentário.

Precisa dizer alguma coisa?

Se não fores inquieta, jamais serás poeta.

Beijo, paz e bem!
Alcides

Janaina Brum disse...

Essa inquietude é o que de mais raro há em mim! Me orgulho, Alcides!

Beijos, Jana

Anne M. Moor disse...

Os sonhares que nos mantém vivos...

Adorei!

Beijos

vittorio disse...

è preciso percorrer as sombras para chegar à luz.

é preciso mergulhar nas incertezas da alma para poder compreender.

é preciso contestar-se para poder-se entender

nas tempestades da existência o inconsciente do ser irrompe
a percorrer as sombras para chegar à luz.

queremos encontrar razões que o ser em si desconhece
a mergulhar nas incertezas da alma para poder compreender.

nos diferentes eus me distancio me perco me encontro
a contestar-me eternamente para poder me entender.

benditas tempestades
beijos

Jaquelyne A. Costa disse...

Jana

saudade de você!

Olha, tem selinho pra vc lá no Jaque Sou!!

Um grande beijo=*

Janaina Brum disse...

Anne, tenho plena certeza disso! E escrevo isso por influência tua...
Beijo no coração, Jana

Janaina Brum disse...

Vittorio, seja bem-vindo! Adorei o que escreveste!

Abraços afetuosos, Jana

Janaina Brum disse...

Jaque, saudades também! Vou lá pegar, obrigada!

Sonhadora disse...

Lindo o seu poema, me diz muito.
Parabéns
bjs