quarta-feira, 22 de abril de 2009

Mais três poeminhas na praça Cel. Pedro Osório


Queria estar presa e a liberdade me afagava,
passava nos cabelos.
Dia bonito e cinzento
Os ortodoxos não me entendem.
Gosto de almoço verde
e amizade no entorno.
Os intimistas não me entendem
e os anarquistas também não.
___________________
Nunca produzi tanto.
Seria a teoria me instigando?
Ou o avesso?
Vontade de abolir todos os poemas
___________________
Crítica literária
não
bem posta
mesa?
faz-se um poema a cada dia.
Me assalta
este lirismo.

8 comentários:

A Palavra Mágica disse...

Janaina,

Os anarquistas não te entendem. Você também não se entende, assim como eu não te entendo e não me entendo.

No fundo, no fundo todo poeta é anarquista.

Beijos!
Alcides

Anne M. Moor disse...

Escreve poeta! Escreve que nós agradecemos...

Beijão

Marco Sistinne disse...

Olá Janaina, cheguei até aqui através do blog da Anne (inclusive tem um recado dela ai em cima :)
Gostei bastante daqui, principalmente dos escritos e também das várias referências a Ana Cristina Cesar que eu adoro, enfim,
estarei acompanhando, espero que não se incomode.

abraços literários
Marco Sistinne

Ricardo Kersting disse...

Os intimistas não nos são íntimos. Os anarquistas extremamente organizados para a poesia. Nunca irão te entender.

Abolição dos poemas? Uma boa idéia para milhares deles.

Mesa farta, poesia e lirismo. A crítica faz parte do cardápio.

Rafael disse...

Que bonito! Gostei do seu blog.
Se puder passa no meu...
Bjs

Ester disse...

Olá Janaína,

Passando para pedir um favor, se vc puder votar no meu blog que está participando de um concurso, ficarei muito feliz, o link está na última postagem em meu blog Esterança,

obrigada de coração!

Janaina Brum disse...

Obrigada, amigos!
Marco e Rafael, sejam bem vindos!

Zisco disse...

Guria,

beleza não se entende, se saboreia!