domingo, 15 de fevereiro de 2009

O coração tem pouca ironia de tardinha
Segredos carnais À flor da pele
poemas descarnados aguardando

A vida recusa transportar-se para outeiros
buracos cavados por doninhas
ervas que florescem

O coração tem pouquíssimo fôlego na piscina
Nos quintais dispara úmido
Nas salas fechadas cuida das buzinas

A vida se encarrega das janelas
mas acaba descendo em correria
Não cabe Não suporta Não tem peso

Ana Cristina Cesar (In: Antigos e Soltos, coletânea organizada por Viviana Bosi, 2008)

Nenhum comentário: