domingo, 15 de fevereiro de 2009


Fragmentos de um discurso amoroso




II




"Em que canto do corpo adverso
devo ler minha verdade?"

Não sei o que me deu a ti.
Só sei que um único momento
- eterno -
me move:
o adorável de meu desejo.
Infiel por um momento
imperceptível,
me vejo no seio de outro a
acalentar a tua ausência.
Se não fosse assim,
morreria pelo excesso.
Te amo pelo avesso
e digo boas palavras.
E digo.
É esse o meu sintoma.


Janaina Brum d'après Roland Barthes

Nenhum comentário: