domingo, 18 de janeiro de 2009


Quando me olhas,
Há algo em mim que ressurge
Inacessível
Inimaginável
Enigmático

Quando me olhas,
Há algo em ti que resplandece
Intocável
Intangível
Impuro

Quando meu olho está no teu
Há algo no universo que canta
Impensável
Indizível
Envolto

Não quero ser aquela
Que, em ventos de outubro,
Deixou de ser estrela
Para se tornar clausura

Não quero ser quimera
Que, no frio de junho,
Deixou de ser estranha
Para se tornar teu íntimo

Não quero ser com complemento
Não quero ir ao teu encontro
Não quero te dizer palavras dóceis
Tampouco te abraçar no infinito

Quero mais é,
No encontro dos teus desejos,
No silêncio dos sentidos,
No infinito do teu abraço,
Ser.

3 comentários:

coupdecoeur disse...

Hello
a small mark at the time of my passage on your very beautiful blog!
congratulations!
thanks for making us share your moments
you have a translation of my English space!
Happy New Year to you and your family
cordially from France
¸..· ´¨¨)) -:¦:-
¸.·´ .·´¨¨))
((¸¸.·´ ..·´ -:¦:-
-:¦:- ((¸¸.·´* ~ Chris ~ -:¦:-
http://SweetMelody.bloguez.com

teresinha brandão disse...

"Que no .../ deixou de ser para ..."; "Que no .../ deixou de ser para".
Muito bonito! Muito!
E a figura muito linda!
Bj! Tê!

technology disse...

chloe purse
chloe paddington handbag
chloe uk
dior
christian dior