sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Perto



andas meio sem chão

pisas nas rosas de outros

passas pela visão

entras olho adentro

numa desenvoltura que me desarma

amas teus passos

ultrapassas teus irmãos

e num toque suave

me dizes o que não pode ser

vês o que eu não enxergo

e me atiras sem impasses

em um mar revolto

onde me perco

e me encontro

olhas no meu olho e não falas

mas eu sei

sei o que se passa

transpasso o verso

e te jogo no meu íntimo

conselhos de antes

amigos de logo

te quero

perto

toda a vida

atemporal

e de tão perto

distante

para que te possa ver

de antes

de logo

de agora

de sempre


Para minha amiga Teresinha Brandão!


Jana Brum