terça-feira, 6 de março de 2007


Tudo Tempestade
Trazer à tona
Teses e técnicas
Antigas.

Tormento

Tu, querido amante,
Assim me tinhas,
Torturante.

E mesmo então,
Na tessitura de minha voz,
Intuías os meus lamentos.
Entontecido.
Estonteante.

Belo tratado
Este só nosso
De tardes e noites
Turbulentas.

Tédio que não termina
Até que venhas,
Talvez,
E me tires desta tontura
Cotidiana que sobrevive
Apesar da morte.

Janaina Brum

4 comentários:

Franciele disse...

bom.. adoro..tu q a janaina escreve, é lindo, tocante,d um sensibilidade sem igual, sou fã! e não é pq sou amiga, qm me conhece sab q sou bm critik com tdo mundo. è pq essa guria tm um grande talento,e merece tdo o sucesso!! bjos

Erico disse...

oi janaina..estou passando para dizer que seus poemas são lindos...adorei!!!!
deves investir nisso!!!
bjo!
boa sorte!

Franciele disse...

a jana..se seus maravilhosos questionamento sobre as tempestades e o tempo..em todos os sentidos q essas palavras podem abordar..graças a deus q isso acaontece, pq ai temos esses grandes poemass!

Lucas disse...

Amor, tens um dom importantíssimo, o de levar a poesia as pessoas,mostrar que é necessário termos um pouco de poeta para encarar o mundo, e talvez, até nós mesmos com mais doçura e beleza.
Como sempre te disse, deves investir muito na tua poesia, pois tens um enorme talento, e mais do que ninguem, tu merece todo o sucesso e reconhecimento do mundo!! Um grande beijo.