terça-feira, 13 de março de 2007


Sublime heresia
Dos rostos disformes.
Alguém me dizia:
“Idéias não formes”
Tão livre irradia
Das paixões enormes
Esta fantasia,
Humana não tornes,
Em motes do dia,
Jamais! Nunca informes.
A sua magia,
Deixe! Ainda dorme...
Na imagem macia
De um sonho, de odes...
Que esta prelazia
Lá fique, em seu orbe.
Senso comum, torpe,
Que se delicia
Nesta imagem ocre,
Que sempre inicia
Sensação tão forte,
Que se vê, se via,
Se vai...

2 comentários:

Franciele disse...

bom..a foto é muito legal, fogo, interessante, super diferente.
o poema, bha, maravilhoso,a s rimas são perfeita..maaaiiiss, q guria taletosa!!!d+!!

technology disse...

leather handbags
bags
bag
handbag
handbags